Pesquisadora - Cláudia Maris Ferreira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As Rãs

 

A rã criada comercialmente em cativeiro no Brasil é a rã-touro gigante (Rana catesbeiana). Este animal de origem norte americana foi introduzido em nosso país em 1935, e foi escolhido pelos criadores devido as suas características zootécnicas tais como: precocidade (crescimento rápido), prolificidade (alto número de ovos por postura), e rusticidade (facilidade de manejo). Outras espécies de rãs (nativas do Brasil como a rã-pimenta, rã-manteiga ou paulistinha), também podem ser criadas em cativeiro, mas apresentam comparativamente com a rã-touro, até o momento, menor desempenho produtivo e maiores dificuldades técnicas e burocráticas. 

 

girino

 

 

 rã-touro gigante

 

As rãs possuem características biológicas e fisiológicas bem distintas dos animais comumente criados. O seu ciclo de vida compreende uma fase exclusivamente aquática, onde recebem o nome de girinos, e outra terrestre (rã propriamente dita), porém com extrema dependência da água.

 

Histórico e Situação Atual

 

 A ranicultura paulista teve seu início em 1939 através do fomento realizado pela Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo. Atualmente podemos dizer que a rã-touro é a única espécie utilizada pelos ranários comerciais brasileiros. Ela é a melhor rã para a criação intensiva e adaptou-se perfeitamente as nossas condições climáticas. Segundo dados publicados em 19991 o Brasil apresenta aproximadamente 600 ranários implantados, 15 indústrias de abate e processamento (7 com SIF e SIE e 8 com processos em andamento), 6 associações estaduais de ranicultores e 4 cooperativas. 

A área média recomendada para a implantação de um ranário rentável comercialmente varia entre 500 a 700m2. Com esse projeto o ranicultor pode atingir uma produção de anual média de 2.000 Kg de carne. Recomenda-se água de boa qualidade preferencialmente de mina ou poço. O custo de implantação médio no Estado de São Paulo varia entre R$ 50,00 a R$ 70,00/m2 de área construída. O custo de produção médio é de aproximadamente R$ 14,00/Kg de carne, e o preço médio no atacado em São Paulo gira em torno de R$ 17,00 a R$22,00/Kg de carne (AGO/07).

Praticamente toda a produção brasileira (cerca de 400 ton./ano) é absorvida pelo mercado interno, mas o Brasil possui condições de conquistar grande espaço no mercado externo, porém necessita preparar-se para tal. Existem também novos nichos de mercado interno a serem conquistados3.

 

Condições Básicas Necessárias para se montar um Ranário(4)

 

·         Terreno próximo aos centros consumidores e pouco acidentado, variando seu tamanho de acordo com a produção almejada (tamanho médio 500 a 1000 m2).

·         Água de boa qualidade, sem coliformes fecais, metais pesados e ferro, com pH neutro, sendo preferencialmente de mina ou poço artesiano.

·         Disponibilidade de mão-de-obra tempo integral (2a a 2a).

·         Condição financeira adequada ao tamanho do projeto.

·         Locais com a temperatura ambiente mais elevada são recomendados, pois as rãs são animais ectotérmicos, adaptando sua temperatura corporal ao ambiente. Em outras palavras “quanto mais quente melhor”.

·         É aconselhável que o terreno escolhido possua luz elétrica, o que auxiliará na manutenção de um caseiro ou responsável e a utilização de bombas, freezer etc..

 

Instalações e Manejo

 

Os ranários comerciais, em sua maioria, são constituídos por vários setores tais como: Reprodução, Desenvolvimento Embrionário, Girinagem, Metamorfose e Engorda. O setor de Engorda representa cerca de 70% das instalações em um ranário. 

Para os setores de reprodução e engorda são necessárias áreas secas com cochos e abrigos e uma área com piscina. As outras fases são exclusivamente aquáticas. 

Todos os tanques são construídos em alvenaria com cobertura de tela de náilon, geralmente sombrite 50%, e ficam sob estufas ou galpões agrícolas. Dessa forma pode-se promover o aumento da temperatura ambiente, permitindo assim um desenvolvimento mais rápido dos animais.

 O tempo que o animal leva desde a fase de ovo até o peso de abate é em média de 7 meses, e varia conforme a temperatura, manejo, alimentação e potencial genético. Destes 7 meses apenas 4 meses são relativos à engorda propriamente dita, sendo que os 3 meses  iniciais são relativos ao tempo em  que ocorre a eclosão

 

metamorfose 

dos ovos de onde saem os girinos que crescem e sofrem a metamorfose (ou seja, as diversas transformações internas e externas pelas quais passam os girinos até se transformarem em rãs jovens. O peso de abate varia conforme a região e o consumidor alvo variando de 170 g a 250 g. Uma rã abatida pesa em média aproximadamente 100 g.

 

Alimentação

 

Para os girinos recomenda-se administrar ração farelada de trutas ou rãs com 35 a 40% de proteína bruta. 

Já para as rãs, a ração a ser ofertada, deve ser peletizada ou extrusada com 40% de proteína bruta, que pode ser acrescida de 20% de larvas de dípteros, ou oferecida sobre cochos vibratórios, ou ainda “a lanço” dentro da parte aquática, conforme o sistema de engorda adotado.

 

Valores Nutricionais da Carne de Rã

 

A carne de rã destaca-se nutricionalmente por sua grande quantidade de proteínas de alto valor biológico e por seu baixo teor em gorduras e por estas características é indicada para dietas hipocalóricas. Em termos comparativos, podemos notar que a carne de rã possui menor valor calórico e menor teor de lipídeos que as carnes de aves e peixes.

Tabela: Composição química e valor calórico de alguns tipos de carne branca.

                             Rã Touro      Rã Pimenta        Galinha         Pescado
                                                           (carne magra)
Calorias (Kcal/100g)         69,65           82,34                  117,70             91,00
Proteínas (g/100g)             16,13           19,01                    22,00             20,50
Lipídeos (g/100g)                0,57             0,70                      3,30               1,00
Cinzas (g/100g)                   0,57             0,67                      1,00               1,40
Umidade (g/100g)             82,71            78,51                   73,70             77,10

Fonte: * Dados obtidos da Tabela do ENDEF (1979)

 

O que os Iniciantes devem saber antes de iniciar uma Criação Comercial

 

·         As rãs após a metamorfose são canibais (uma come a outra), carnívoras e caçadoras, ou seja, precisam ser induzidas ou condicionadas a se alimentar de alimentos que elas “acreditam” estarem vivos ou em movimento.

·         Seu desenvolvimento depende diretamente da temperatura.

·         Antes de iniciar seu empreendimento verifique a documentação necessária junto aos órgãos competentes (DEPRN, DAEE, CETESB e IBAMA).

·         Se pretende trabalhar com um organismo que é estreitamente dependente da água é necessário antes da implantação realizar uma análise física, química e microbiológica da água.

·         Os ranários de São Paulo em sua grande maioria ocupam uma área média construída de 500 m2. Para dimensionar seu empreendimento calcule primeiro o quanto você irá querer de lucro, o quanto você tem para aplicar no negócio e a taxa de retorno. Só então inicie a construção de suas instalações.

·         A quantidade de água média (= vazão) utilizada em um ranário de 500 m2 (conforme sugestões apresentadas pelo IP) é de 0,5 litros por  segundo.

·         O custo médio para a construção de um ranário segundo sugestão do IP, em região próxima a São Paulo, é de aproximadamente R$ 50,00 a R$ 70,00 por metro quadrado.

·         O custo de produção médio de um quilo de carne de rã é de aproximadamente R$ 14,00.

 

Telefones Úteis

 

·                        Instituto de Pesca: 11-3871.7548

·                        IBAMA: 11- 3066.2633 ou 3066.2657

·                        Ranário Experimental do Pólo de Desenvolvimento Regional do Vale do Paraíba: 12-3642.3921

·                        Abatedouro de Atibaia: 11-4412.2038

·                        Aquavale: 11-4584.0213

·                        Central Rã – 11-37221504

Cláudia Maris Ferreira Fale com quem pesquisa

 

Bibliografia Citada

 

 

1 - LIMA, S.S.L.; CRUZ, T.A.; MOURA, O.M.  1999  Ranicultura: Análise da cadeia produtiva. Ed. Folha de Viçosa, Viçosa, 172 p.

2 - FERREIRA, C.M.  2001  I Ciclo de Palestras sobre Ranicultura do Instituto de Pesca. Boletim Técnico do Instituto de Pesca, 31, 49 p.

3 - CARVALHO FILHO, J.  2001  Ciclo de Palestras da Ranicultura traça Painel da Atividade. Rev. Panorama da Aqüicultura, 11 (67), SET/OUT, 48-53.

4 - FERREIRA, C.M.; PIMENTA, A.G.C & PAIVA-NETO, J.S.  2001  Introdução à Ranicultura Boletim Técnico do Instituto de Pesca, 33, 15 p

 

 

Home

Piscicultura

Tropical

Salmonicultura

Carcinicultura

Ranicultura